A história de Sepé Tiaraju é tão lendária e importante que virou diversos temas literários. Entre as obras é considerada a mais importante “Romance dos Sete Povos das Missões”, lançado em 1975, do escritor Alcy Cheuiche.

O nascimento de Sepé Tiarajú é datado por volta de 1723, na região de São Luiz Gonzaga. Foi um importante chefe indígena dos guaranis que liderou diversos atos de resistência do seu povo contra ataques espanhóis e portugueses.

Os registros que permitem a documentação da real história de Sepé Tiaraju são, em sua maioria, de documentações feitas por militares envolvidos em missões derivadas do Tratado de Madrid que tinha por objetivo desocupar a região dos Sete Povos das Missões.

Porém os principais registros sobre a história do guerreiro rio grandense provêm de padres jesuítas que viviam com os índios nas aldeias. Além dos relatos estrangeiros dos padres e dos militares, a oralidade presente na cultura indígena fez com que a história e os feitos de Sepé Tiaraju fossem repassados por aldeias, de geração em geração.

A história construída a partir de tais registros conta que Sepé Tiaraju nasceu em uma aldeia que foi devastada pelos homens brancos. Na ocasião Sepé fica órfão e é acolhido pelos índios Guaranis. E entre os guaranis que ele cresceu forte, valente, inteligente e uma das características mais fortes de Sepé era o grande apego com a sua terra.

E o nome Sepé Tiaraju foi ‘traduzido’ pelos espanhóis e portugueses como José Tiaraju devido a sonoridade, porém entre os guaranis ele era chamado de Sepé ou Cacique Sepé. Vale lembrar que tem alguns registros que apontam variações do termo Sepé.

Alguns estudiosos propõem a possibilidade do significado para o nome como “Sape” que é como os guaranis chamam o capim santa-fé, que é muito utilizado para recuperação de terras após secas e queimadas, por isso é representativa de um sinal de esperança e luz. Outro possível significado atribuído ao nome Sepé Tiaraju seria o de “chefe” e “sábio”, como ele significou para os povos indígenas Guaranis.

Vou abir um parenteses aqui pois faremos um video, pois pra contar a história completa de Sepé temos que falar sobre a Guerra Guaranítica, porém esse será assunto pra um outro vídeo especial sobre a guerra, então vou acelerar um pouco a história pra focar só na trajetória do ícone de Sepé.

Não há sombra de dúvidas que Sepé foi um lider nato e isso se fez mais forte ainda na Guerra Guaranítica. Então no ano de 1756, os índios liderados por Sepé, se preparam para uma peleia com as tropas espanholas ali na volta da cidade de São Gabriel. Diz que no encontro das tropas Sepé bradou aos quatro ventos: Co yvy oguereco yara! ou seja: ESSA TERRA TEM DONO!

E dali pra frente a peleia não foi pequena mais de 2.000 baixas entre índios e espanhóis. E dentre essas baixas estava o guerreiro Sepé Tiarayu. Essa foi a Batalha de Caiboaté.

Arrisco afirmar que Sepé Tiarajú foi o primeiro grande herói do Rio Grande, e o primeiro a bradar amor junto ao seu pago sagrado. Hoje, da sua terra resta apenas as ruínas, porém no ideário do povo gaúcho Sepé ainda vive. Foi aclamado São Sepé pelo povo. Suas histórias e proezas hoje estão registradas nas páginas da história. E essa é a homenagem do Linha Campeira ao guerreiro que lutou até a morte junto com seu povo para defender sua terra, sua pátria, seu lar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *