Como bem já estamos acostumados, bamo avançando no mês de junho e com ele o nosso frio gaúcho vem chegando de carona. E por mais que a gauchada esteja acostumada com essas friage de renguiá cusco, se o campeiro não estiver bem preparado pras lida na época do frio vai acabar se dando mal.

Por isso é que temos diversas roupas e acessórios que são feitos pra essa época do ano, dos pés a cabeça e por cima de tudo tem mais uns ainda. Então vamos às principais vestimentas campeiras pro inverno.

Primeiramente, vamos destacar a importância das botas de qualidade e de um chapéu. Porque ficar com os pés e com a cabeça molhada vai prejudicar um eito a saúdo do campeiro.

Mas quando a gente fala em pilchas pro frio, logo nos vem a imagem um poncho véio de lã, bem no capricho. Mas além do poncho, temos outras peças como os palas, os bicharás e as capas.

Os palas são as vestimentas para o frio mais leve, bem como o vento e a chuva. Basicamente é uma peça quadrada de tecido com um buraco no meio. Não precisa necessariamente ter os acabamentos com aquelas franjas, mas a maioria dos palas.

O pala é de origem indígena e aparece desde os gaúchos da cordilheira dos andes até os mais meridionais e é uma vestimenta tradicional da América do Sul.

Aqui vale destacar que cada tribo faz seus desenhos tradicionais no pala, como a gente pode ver bem nesse infográfico com os padrões de cada região da Argentina, porém o mais conhecido é o que leva a guarda pampa a guarda mapuche.

Temos também o bichará, que é um pala mais rústico, pois ele é feito em um tear manual e com lã crua de ovelha. A diferença dele é que é feito com dois panos retangulares e costurado, deixando um lugar pra passar a cabeça. A origem é dada à época das reduções jesuíticas que adaptaram a forma e o material de que os palas usados pelos índios nativos daqui.

E o poncho é um dos mais utilizados pro inverno pesado, pois é feito de uma lã, das buenas, bem grossa. Geralmente é feito em cores escuras como preto ou azul marinho. Diferente do pala e do bichará, o poncho além a abertura para a cabeça tem também para passar os braço. E geralmente tem gola e um peitilho com botões. 

O termo poncho vem do termo quechua “punchu”, tem origem andina e no Brasil é utilizado desde a época do Brasil colônia, inclusive aparece em relatos que além da gauchada e dos tropeiros, os bandeirantes também utilizavam.

Existe uma peça que é um meio termo, conhecida como “Pala-poncho”, que tem algumas variações, pode ser tanto retangular como mais circular. É feito de lã industrializada e tem o forro de baeta, que ajuda na impermeabilização. Geralmente por fora é preto ou azul escuro e a baeta interna é colorada. Muito chamado apenas de baeta colorada.

Temos também as capas, que vieram por mãos espanholas que são muito utilizadas nas cavalgadas e pros dias mais chuvosos. São tecidos impermeáveis, que protegem tanto o peão como a montaria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *