Provavelmente tu já ouviu esse marca, que tem melodia e interpretação do Jari Terres e os versos de Alex Silveira. E tá gravada num baita CD de nome: Poncho y Pampa, lançado em 2004.

Então na música, empeza da seguinte forma. Meu poncho, um brasedo em flor, quando um agosto se achega. Num florão de colorado, sou a estampa do meu pago, num retrato do Berega. E no final de quase todos os versos se termina com “é um retrato do Berega”.

Mas aí eu te pergunto quem é o tal desse Berega dos retrato? É um fotógrafo, um modelo, um domador, um estancieiro, um pintor? O Berega é Luiz Alberto Pont Beheregaray, nascido em 26 de maio de 1934 na cidade de Uruguaiana. 

Acertou a profissão do Berega quem disse pintor, ou melhor: um artista plástico. O Berega  ficou muito conhecido pelo seu inconfundível traço e temática, que retratava o gaúcho do campo com um jeitão bem autêntico e com muita riqueza nos detalhes.

Os retratos de Berega são bem vastos, pois vão desde os com lado jocoso e brincalhão dos tipos terrunhos apresentados nos Calendários da Petróleo Ipiranga S.A., que circulou durante 20 anos de 79 a 99, inclusive alguns desses calendários tinham versos do Jayme Caetano Braun. E também muitos outros, talvez mais de centenas de retratos realistas de pessoas e animais sobre couro como suporte, isso foi uma técnica dele que foi aperfeiçoando com o passar dos anos.

É importante explicar que se tu quiser buscar esses tipo de imagens, tem que dar uma juntada com as buscas em espanhol. Os pintores argentinos e uruguaios desses temas campeiros são chamados de pintores costumbristas.

Sem sombra de dúvidas, o Berega foi um pintor fora de série, ele foi muito reconhecido por pintar cavalos, principalmente os crioulos e árabes, mostrando profundo conhecimento de suas características. Che e inclusive ele chegou a receber convites pra julgar provas morfológicas em exposições de cavalos, como foi o caso da Expointer, entre tantas outras.

Os retratos de cavalos de sua autoria encontram-se em coleções particulares e de criadores em vários Estados brasileiros e também em muitos outros países como Argentina, Uruguai, Paraguai, Estados Unidos da América, Suécia, Alemanha.

Ah… e algum de seus trabalhos estão na Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, em Washington e também ele é Membro da Society of Equestrian Artists, sediada em Londres (UK).

Vai te meter com o Berega! Ele também tem 4 álbuns de produção própria de seus estudos. Garanhões Árabes – Estudos de Cabeças (1977); Cavalos – Desenhos de Berega (2 edições – 1980 e 1983); Garanhões Árabes (1983); Gaúchos e Cavalos (6 edições 1982).

E o dom que o Berega teve pra desenhar lhe foi seifado aos poucos, acometido pelo Mal de Parkinson foi perdendo a capacidade de fazer o que mais gostava e o que melhor tinha que era a arte. Faleceu em Uruguaiana em 09 de abril de 2012, mas nos deixou essa vasta obra que sempre será lembrada, porque pra galopear um bagual num grito de chega chega, vou firme no teu costado, que a imagem deste quadro é um retrato do Berega!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *