Primeiramente vamos deixar bem claro que o uso de lenços na composição da indumentária não é de invenção gaúcha. Diversas culturas ao redor do mundo utilizam lenços de variados formatos e estilos. E o lenço sempre foi uma peça funcional.

Quase todo o vídeo que eu publico tem alguns comentários como: O lenço tem que ser por dentro. Não pode dar esse tipo de nó nesse lenço. E a minha resposta sempre é: depende como, quando, onde e pra que tu tá utilizando. E aqui quero te contar essas coisas pra derrubar esses mitos.

A utilidade do lenço veio mudando de acordo com a necessidade. Por isso há variações regionais, históricas e funcionais. Por isso o lenço já foi utilizado na cabeça, no pescoço e sobre o ombro.

Clique aqui para comprar o livro: Indumentária Gaúcha: Dos Bailes Antigos aos Tablados

Então bamo começar de cima pra baixo. Primeiro sobre como que o lenço já foi utilizado na cabeça.

De duas formas: ao estilo corsário, atado a cabeça, com as pontas pra trás, pra proteger do sol. Esse modo era muito comum entre os marinheiros.

Ao estilo sereneiro, atado no queixo, com as pontas pra baixo. Protegendo a cabeça, bochechas e pescoço do Sol quente do dia e a noite as orelhas do orvalho e do frio.

Essa forma de utilizar era bem comum entre os tropeiros e birivas, pois sempre estavam viajando no tempo e precisavam de proteção. Quando paravam em local coberto e seguro, simplesmente afrouxavam o nó e deixam solto ao redor do pescoço.

Outra forma é a meia-espalda. Onde se passa o lenço sobre os ombros, deixando ele mais solto. Pode ser passado por baixo do braço ou não. E se amarra com um nó bem firme e bem nas pontas do lenço.

É interessante que o termo espalda em castelhano significa o lado posterior, a parte de trás. A meia espalda seria na metade das costas.

Usar o lenço dessa forma facilita na hora de tirar e colocar. Mais comum ao homem a cavalo, no campo aberto. Geralmente o nó está do lado esquerdo, pq a maioria da gauchada é destra pras atividades cotidianas.

Quem é destro deixa a faca na cintura presa às costas ou do lado esquerdo, por isso o lado de atar o lenço tinha que se cuidar. Outra função de campo do lenço à meia-espalda é pra caso precisasse acalmar o cavalo, desse jeito se tirava ele rapido e se cobria os olhos do animal.

Então geralmente o gaúcho campeiro utilizava o lenço mais folgado pra essas horas de precisão.

Ao pescoço tem duas formas, com o lenço em triângulo ou com ele dobrado. Com o lenço aberto triangular é a moda antiga, muito semelhante a forma que ficava o lenço estilo sereneiro ou o a meia-espalda depois de solto se fosse centralizado no pescoço. Claro que com a diferença da altura do nó.

Desse jeito era mais usado antigamente pq era mais fácil o gaúcho de liberar do lenço caso estourasse alguma peleia. Além de que era mais fácil pra utilizar ele como instrumento de defesa. Isso por que a maioria das peleia se dava no ferro branco.

Vale lembrar que naqueles tempos o lenço não era uma peça que se tinha tanto cuidado, era extremamente funcional, utilizado também pra se secar do suor, era comum ver os lenços manchados e por vezes até sujos.

O lenço dobrado, da forma mais comum que utilizamos hoje, dobramos em forma triangular e depois em faixas pode ser utilizado tanto por dentro como por fora da gola. Hoje é de gosto individual. Antigamente se utilizava por dentro pra proteger a gola da camisa da sujeira e do desgaste.

O lenço só começou a ter contornos políticos e ideológicos a partir da Revolução Federalista, de 1893. Até então se dava qualquer tipo de nó em qualquer cor de lenço sem necessidade de alarido. Mas essa questão de nós e cores é assunto pra um outro vídeo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.