Bamo voltar lá pro início de setembro de 1835, quando na estancia do Gomes Jardim, em Pedras Brancas, onde hoje pertence a cidade Guaíba, estavam reunidos alguns importantes nomes que estavam descontentes com a situação da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul, como Bento Gonçalves e Onofre Pires e com o tempo foi se chegando mais gente nessas reuniões.

Entao na noite de 18 de setembro, numa reunião estavam presentes: Gomes Jardim, José Mariano de Mattos, Vicente da Fontoura, Pedro Boticário, Paulino da Fontoura, Antonio de Sousa Netto e Domingo José de Almeida. E decidiram que dentro de 2 dias iam tomar a capital Porto Alegre e destituir o presidente da província Antonio Rodrigues Fernandes Braga.

Então os ‘rebeldes republicanos’ juntaram uma tropa de cerca de 200 homens e avançaram para as redondezas da cidade de Porto Alegre em 19 de setembro de 1835, nas redondezas do bairro da Azenha.

Sabendo desse movimento, o presidente da Provincia mandou as suas tropas ficarem de sentinela, cerca de 270 homens foram liderados por Gaspar Mena Barreto que ficaram em pontos estratégicos da capital.

Noite adentro de 19 de setembro, Braga enviou um piquete com cerca de 20 homens sob o comando do Visconde de Camamu para ir dar uma conferida na Ponte da Azenha por onde os revolucionários poderiam invadir.

Antecipadamente, os farroupilhas já tinham alguns ‘bombeadores’ ou melhor, vigias, ali naquela entrada e viram a tropa se aproximando e já se prepararam pra peleia. Quem era o líder era o Manoel da Rocha, o Cabo Rocha.

O tal do Visconde de Camamu, bem como sua tropa, não tinha muita experiência em combate noturno. E assim que avistaram os farroupilhas dispararam suas armas e não acertaram ninguém.

Os farroupilhas que estavam em apenas 7, foram pra cima, mataram 1 e feriram 4, inclusive o comandante Camamu. E o resto da tropa fugiu em disparada.

O presidente da província ao saber disso, fugiu na mesma noite para a cidade de Rio Grande.

Na manhã seguinte, os revolucionários liderados por Gomes Jardim, Onofre Pires, Bento Gonçalves e outros adentram em Porto Alegre e vão conquistando a capital quase sem a necessidade de peleia porque não havia resistência.

Muitos dos  integrantes do Corpo de Permanentes, como era chamada a guarda provinciana, acabaram se aliando aos farroupilhas.

Por isso 20 de Setembro de 1835 é a data que os Farroupilhas tomam Porto Alegre e é iniciado a revolução Farroupilha.

No dia 21 de setembro, Bento Gonçalves convoca a Câmara Municipal e dá posse à cidade ao Dr. Marciano Pereira Ribeiro, que era o quarto na ordem geral de precedência dos Vice-Presidentes da Província. 

No dia 25 de setembro, Bento Gonçalves da Silva, divulga um manifesto explicando os detalhes da ofensiva cujo o objetivo era apenas afastar o então Presidente da Província  Antonio Rodrigues Fernandes Braga. E nos motivos era de que o mesmo estava levando a província à ruína devido a má administração.

Numa parte deste manifesto está escrito: 

“Cumprimos, rio-grandenses, um dever sagrado repelindo as primeiras tentativas da arbitrariedade em nossa cara Pátria; ela vos agradecerá e o Brasil inteiro aplaudirá o vosso patriotismo e a justiça que armou vosso braço para depor uma autoridade inepta e facciosa e restabelecer o império da lei.

 Com este triunfo dos princípios liberais minha ambição está satisfeita, e no descanso da vida privada a que tão somente aspiro gozarei o prazer de ver-vos desfrutar os benefícios de um governo ilustrado, liberal e conforme com os votos da maioria da Província.”

Então essa é a história do 20 de setembro de 1835! Essa data que trouxe acontecimentos que mudaram a história da nossa terra e que molda as pessoas até hoje.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.