Esse termo é tema de 2 músicas conhecidas da gauchada. A primeira lançada em 1990 de autoria e interpretação do Pedro Ortaça de nome Baile do Cola Atada. E a segunda e mais conhecida é Pra bailar de cola atada, de composição do Anomar Danúbio Vieira e do Juliano Gomes com a interpretação da dupla César Oliveira e Rogério Melo. E essa segunda conta já com milhões de execuções nas plataformas digitais.

Mas tu sabe o que dançar de cola atada ou o que são os bailes de cola atada? Eu vou apresentar as principais explicações sobre o tema e aí depois tu vai tirando as conclusões.

A primeira explicação é de que antigamente, até a volta dos anos 30, aconteciam de vez em quando uns bochincho grosso, onde tanto os homens quanto as mulheres dançavam dançavam com poucos trajes. Esses baile aconteciam meio que nas escondida e a peonada atava a camisa pra trás, enquanto o chinedo, atava a barra do vestido a cantagalo, bem acima da cintura dando o nó atrás. Imitando a cola atada de um cavalo ou égua.  

Outra versão diz que esse tipo de dançar descende dos bugios, da mesma forma que o ritmo veio pela gaita imitando o grito do bugio, teria vindo o jeito de dançar. Atualmente o bugio se dança bem compassado imitando a forma peculiar que o bugio tem de andar.

Só que antigamente nas bocada, bamo dizer assim, a dança do bugio não imitava o jeito de andar do animal, mas sim de procriar. Onde depois que os trago tavam fazendo efeito na indiada, o peão agarrava a china por trás, que por sua vez, atava a saia as costas prendendo o casal. Tal como se fosse uma dança de acasalamento dos bugios.

Como bem sabemos e praticamos, a história procura ocultar esses tipos de situações não louváveis e desapropriadas, as duas versões a gente sabe por meio do folclore dos povoados. Até por que ninguém podia assumir em casa que tinha participado de um baile desses, nem o peão e nem a prenda.

Mas então agora que tu sabe da possível origem do baile do cola atada, dá uma curtida nesse vídeo e mande pra gauchada amiga que não faz ideia do que era essa dança!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *